domingo, 14 de fevereiro de 2016

Sinais dos Tempos 12



Porque não escutam? Insistem em não escutar a minha voz, faz de meus desígnios coisas que se pode esperar para outros tempos. Digo-te em verdade, o tempo que conhecem nem mais está sobre vós, não pertencem mais a criação. O Criador de toma toda sua existência, toma a todos vós. Toma o que criou de volta e com tudo o seu livre arbítrio. E foram vistos os tempos de provação pelos olhos dos instrutor, mas tu cego pelas tantas coisas que toma por necessárias em matéria, esqueceu o que sustenta o espírito. A todos digo que o ar que invade vossas intranhas não pertence a vós. Não é parte de tudo que acha que pertence a ti. São todos vós cheios de primeira vontade. E não sabes ou não querem entender que as vossas vontades vêm depois da minha. Eu o teu Deus. Eu o teu Pai, te escolhi, te chamei pelo nome. És escolha minha, não faz de ti um dos injetados do meu rebanho. Ouve filho a minha voz. Atende a teu Pai e herdara o meu reino que vem sobre a terra. Olha para o alto, não há mais lugar para a habitação das minhas coisas, mas sim toda a terra estará em meu reino e meus altares proclamarão só a verdade. Minha luz será verdadeira sobre os que escolhi. Não aponta o dedo para quem proclama minhas promessas, pois digo-te em verdade, que todo aquele que por mim fala, por mim também foi escolhido, és predileto. Porém aqueles que estão sobre a terra para levar a minha voz, encontrarão graça diante de mim e por causa disso serão perseguidos. Não sede vós mais um dos perseguidores, não toma as vezes do acusador. Pois todo aquele que se levanta nesses tempos contra um irmão que eu chamei, estará condenado ao convívio do acusador de vossas almas. Naqueles dias que serão três, que tua esquerda não esteja ocupada pelo inimigo, e que tua direita seja a companhia dos que enxergaram a minha glória. Eram 121 mil aqueles tantos que coloquei a mão sobre suas cabeças, mais ainda 144 cabeças se esconderam-se como Natanael na figueira. Olha pra mim filho, não tenhas medo, sou eu teu Pai, toco teu ser e te mostro as verdades dos dias de tua criação, e como te prometi não será por ti nada sofrido. Não perecerá na morte findoura teu espírito, porque eu mesmo cuidarei da tua tutela, te acompanharei em meio a devastação e as pedras que caem do céu, e te levarei ao mais alto monte para te mostrar a renovação do teu reino junto a mim. porque aquele que me segue e ouve, reinará comigo, reconstruirá o mundo e verá com olhos divinos o milagre da criação. São agora menos de dois os tempos que estão sobre vós e ainda tens medo. Pega tua botija, tua veste e saia a pregar, não esconde a luz sob o alqueire. Não há tempo de medo, eu te asseguro, serás vencedor. A voz que ressoa sobre o mundo e clama a tua remissão é minha, a presença angustiante é minha para te mostrar que naqueles três dias sentirão muita dor pelos que se escondem da minha graça. As dores estão sobre todos vós meus filhos e eu quero alivia-las com a certeza da vitória. Porque serão pavorosos aqueles tempos porque todos escolheram ver esses tempos, por que viram e calaram,por que não quiseram participar da obra. E eles ficaram sem nada, e todas as sobras foram por mim colhidas, para que entendam a verdadeira fome. Pois não ouviram que não era de pão que vivia a minha criação. Não terão nada porque olharam com desprezo tido que vos dei de valor. Aqueles tostões de nada valem para comprardes as coisas do meu paraíso, só o amor que vos dei seria sua moeda, mas tu não entendeste.  Usaram a sabedoria permitida por mim para desafiar a minha grandeza e assemelharam-se mais com o meu traidor. O que mais parece a face da minha criação agora até para vós que sois pequenos em sabedoria do universo? Digo-te em verdade, que todo aquele que se assemelha a mim tem no coração as minhas palavras. Ouve a minha voz e contempla a minha face. Se compara ao vaso e deixa que Eu teu oleiro molde toda a tua matéria e espírito, todos os dias da tua vida. A semelhança com minha face está nos teus olhos obstinados à prática das minhas coisas. Coisa alguma vos abate, desvanece e perseguem a promessa do reino. Ele vive em mim e Eu nele. E ele se reconhece por minha morada. Não profana o teu corpo, não sucumbe aos desejos da carne, não vê no sangue justiça e olha com amor todos os meus pequeninos. Abomino, expulso do meu reino, de diante do meu trono todos os que se entregaram ao mal e abraçaram a grande serpente. Ela se disfarça de divina e se põe como pai da minha igreja. E não foi a Pedro que dei a minha chave? Ele e somente ele ligaria na terra o que fosse ligado no céu, e desligaria no céu o que meu escolhido desligasse na terra. Mas foi o tempo em que Pedro conseguiu arrecadar sucessores e a escolha do meu herdeiro foi tomada por vós, e não mais do que Paulo tiveram tempos de verdadeira igreja. Depois disso o perseguidor aproveitou-se da vossa vontade de me superar. Todos vós que olham para o monte estão cegos e vossas cabeças banhadas pelo sangue do perseguidor. Porque escolheram ver com os olhos e cegaram o espírito. E naqueles dias abandona o conforto, tem em ti e para ti somente as poucas vestes a que precisa, que nada mais de supérfluo seja amado por ti. Espera em mim como os pássaros dia após dia. Canta o meu nome como o trovador do reino eterno, que liberta o som de minhas trombetas, para que todos ouçam que meu reino vem sobre a terra e não mais sentiram sede ou fome, não mais necessitarão esconder-se, pois eu serei vosso abrigo. E nesses dias Ele mesmo, o teu Pai quis que ouvisse essas coisas para que Ele pudesse contar contigo no número de escolhidos. Ouve e caminha a propagar a voz do teu Pai que clama por tua penitência. Louvado seja o Altíssimo que vem a terra em glória para encaminhar as suas ovelhas.

Natanael