domingo, 12 de maio de 2013

Liberdade


Ah liberdade, como gozar de ti se nunca te conheci.
Como senti-la, se alcançá-la parece algo tão distante,
Como fazer de ti, instrumento de crescimento em minha vida, se diminuo minhas chances com as amarras do orgulho mundano,
Como te repassar para meus irmãos, se sempre os aprisionei em meus desejos egoístas que contrariam toda nossa porção divina,
Gostaria muito minha amiga, de ti conquistar de verdade,
Gostaria muito de conhecer só mais um pouco,
Gostaria muito de saber a tua origem, para assim te amar de verdade,
Não lamento nosso desencontro,
Pois só assim descobri que és algo sublime e dadivosa,
Descobri que comportas em ti, todos os nossos desejos de viver em um mundo melhor,
De ser alguém de verdade, com sentimentos de verdade, que ama, que ampara, que doa carinho e amor,
Quero te namorar um pouco, quero ser teu aluno nas lições de uma vida que nunca vivi,
Ser teu amigo quando o mundo me rejeitar,
Ser sincero contigo quando quiser gritar, para exprimir alegria ou tristeza,
Quero dividir contigo a responsabilidade de ser humano,
Acima de tudo, andar contigo de mãos dadas quando tudo parecer difícil,
Sonhar em voar, quando caminhar for algo distante de conseguir.
Ah, LIBERDADE, minha amiga, és tudo e o nada, és o compreensivo e o ignóbil, pois na minha imaturidade humana descobri que me falta um pedaço,
Ser feliz.